sexta-feira, 7 de junho de 2019

ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL MATTA MACHADO PARTICIPAM DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL SOBRE A FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO DE DIAMANTINA!


Mais de dois séculos de História! A Festa do divino Espírito Santo em Diamantina, destaca-se por sua relevância religiosa, histórica e cultural e neste ano estudantes da Escola Estadual Matta Machado participaram das atividades educativas realizadas pelo Programa Municipal Pedagógico De Educação Patrimonial “De olho no Patrimônio” que através de ações didáticas realizou um descontraído bate papo com a participação de Geralda Parisi, uma das integrantes da Comissão de Salvaguarda da Festa do Divino (ex festeira), ao todo participaram 98 alunos das turmas do quarto ano do ensino fundamental. Os estudantes realizaram também, visita técnica guiada à exposição sobre a Festa do Divino no Museu do Diamante, sob a  orientação dos professores municipais de educação patrimonial do Programa (PEP): Claudete Rocha, Cleuber Rocha e Kesley Maya. Essas ações oportunizaram reflexão e conhecimento, enfatizando as características que a Festa do Divino Espírito Santo reúne nas diversas formas de expressões e distintos saberes, a musicalidade, ofícios reconhecidos na costura, nos bordados e adereços, além do tradicional Bolo de Arroz. Foi enfatizado todo o valor afetivo que esse Bem Imaterial representa para a história do povo diamantinense. É a Secretaria Municipal de Cultura Turismo e Patrimônio numa Parceria com Secretaria Municipal de Educação estreitando os laços entre o Passado, presente e futuro através do Programa Municipal Pedagógico “De Olho no Patrimônio”.
Estamos de Olho em Nosso Patrimônio!!
(texto: Claudete Rocha, Cleuber Rocha)










quinta-feira, 6 de junho de 2019

PLANO DE SALVAGUARDA EM AÇÃO FESTA DO DIVINO ESPIRITO SANTO DE DIAMANTINA


A Festa do Divino Espírito Santo é bem imaterial, reconhecido por meio do “registro”, instrumento este, utilizado no país pelas políticas de preservação do patrimônio cultural à preservação de bens imateriais, tais como, as formas de expressão, celebrações e os modos de criar, fazer e viver, conforme artigo constitucional de 1988 e lei municipal que regulamenta a política municipal. Exatamente por ser importante referência cultural dos diamantinenses, é que esta celebração foi tornada patrimônio imaterial do município.
As diretrizes e medidas para valorização do patrimônio são postas no Plano de Salvaguarda e executadas, anualmente, pela Secretaria de Cultura, Turismo e Patrimônio em parceria com os detentores do bem, neste caso, com ex-festeiros, paróquia de Santo Antônio e comunidade diamantinense, nas ações de logística, gestão e financiamento.
Este complexo patrimônio cultural reúne diversas formas de expressão e distintos saberes, dentre eles a musicalidade, na tradicional música do divino, identificada pela comunidade como a Folia do Divino. Tal expressão musical é recriada anualmente durante a celebração pelas bandas locais, Banda do 3º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, Banda Euterpe Diamantinense e Banda Mirim Prefeito Antônio de Carvalho Cruz e, curiosamente em reuniões de discussão sobre o plano de salvaguarda da festa foi levantada a questão da ausência da sua partitura.
 A melodia é descrita  por Soter Couto [1]como “composição original, sem compasso, introduzida no Tijuco desde a época colonial”. Executada pelas bandas locais, foi sendo passada de geração em geração de músicos, através de ouvido.
Neste sentido, articular a montagem da grade de partitura da Folia do Divino, como exposto, foi uma diretriz do Plano de Salvaguarda proposta para o ano de 2019, com o objetivo de garantir a identidade e memória da melodia. 
A metodologia para elaboração da mencionada partitura foi organizada pelo músico e professor Patrick de Aguilar[2]. A Folia do Divino, segundo este, era ensaiada de músico para músico da forma: ouvir e tocar, sem nenhum registro de partitura. Desse modo, no intuito de registrar a memória deste hino foi feita uma gravação da centenária Banda de Música do 3º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, executando a Folia, e a grade foi criada a partir desta base; possui os naipes tradicionais de uma banda de música madeiras, metais e percussão.
Assim, no âmbito da política de preservação do patrimônio cultural a Prefeitura de Diamantina entregou a comunidade diamantinense a grade de partitura da Folia do Divino considerando esta uma ferramenta de suma importância para o auxílio na formação musical de músicos, e garantir fidelidade e exatidão na execução da música, que com o passar dos anos se transformou no Hino da Festa do Divino. O livreto foi entregue a maestros de bandas locais, grupos de serestas e Conservatório Estadual de Música durante a abertura da exposição do Divino Espírito Santo, no último dia 21 de maio.



[1] COUTO, Soter. Vultos e fatos de Diamantina. Imprensa Oficial: Belo Horizonte, 1954, p 128.

[2] Patrick Ricardo de Aguilar, músico e professor do Conservatório Estadual de Música Lobo de Mesquita, e maestro e professor da Banda Mirim Prefeito Antônio de Carvalho Cruz.




quinta-feira, 30 de maio de 2019

CONFECÇÃO DE TAPETE DEVOCIONAL NO PÃO DE SANTO ANTÔNIO, MARCA O ENCERRAMENTO DA AÇÃO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE DIAMANTINA!


No dia 25 de maio (sábado), realizou-se o encerramento da Oficina de Confecção de Tapetes Devocionais de Diamantina. Esta ação é um projeto da Prefeitura Municipal de Diamantina através da Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Patrimônio (SECTUR) em parceria com a Superintendência Regional de Ensino (SRE). A Oficina de Confecção de Tapete Devocional é mais ação do Programa Municipal de Educação Patrimonial “De Olho no Patrimônio”
 Em sua 3º edição, a oficina teve como público alvo alunos do ensino médio, ao todo participaram 06 (seis) escolas com o total de 150 alunos inscritos. Os responsáveis em ministrar as oficinas foram os professores de arte que atuam nas escolas contempladas pelo projeto, são as seguintes escolas: Colégio Tiradentes da PMMG; E.E. Prof.º Gabriel Mandacaru; E. E. Prof.ª Isabel Motta; E.E. Prof.ª Gabriela Neves; E.E. Prof.ª Ayna Torres; E. E. Prof.º Leopoldo Miranda.
Um dos objetivos do projeto é realizar um processo de conscientização do diamantinense em relação à produção de tapetes para a procissão da Semana Santa e de Corpus Christi, principalmente dos jovens, além da necessidade da preservação de nosso patrimônio cultural imaterial, explicitado na oficina, aliada à manifestação da tradição religiosa da confecção do tapete de rua.
Depois de participarem de oficinas, os alunos das 06 escolas reuniram no PÃO DE SANTO ANTÔNIO para o encerramento da oficina de educação patrimonial, tendo com convidados atiradores do TG de Diamantina.
O resultado foi a confecção de 03 tapetes gigantes cada um confeccionado por duas escolas, com desenhos que simbolizavam a religião e o nossos patrimônios materiais, representados por cores vivas. Através do projeto foi possível o encontro jovens de todos os bairros de Diamantina.
Diamantina 20 anos de Título de Patrimônio da Humanidade. Estamos de Olho em Nosso Patrimônio!!












terça-feira, 28 de maio de 2019

Prefeitura de Diamantina executa obras de intervenção na Igreja de Nossa Senhora da Luz- Diamantina


As obras de intervenção no prédio da Igreja de Nossa Senhora da Luz, estão sendo executadas. Acompanhadas por servidores da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Rural, Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Patrimônio e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional- IPHAN.
O belo e singular prédio, vai gradativamente deixando sua frágil condição com o avanço dos serviços. Compreender o valor de cada bem, atinge para além da esfera dos serviços, a continuidade do cuidado e zelo diário, um monitoramento técnico, em que é primordial a participação ativa da comunidade, que é sua principal guardiã.  








Convite Festa do Divino Espírito Santo de Diamantina



sexta-feira, 24 de maio de 2019

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA DIVINO ESPÍRITO SANTO DE DIAMANTINA



Na última terça feira, 21 de maio, aconteceu a abertura da Exposição Temporária da Festa do Divino Espirito Santo no Museu do Diamante/IBRAM.
A Festa do Divino é bem imaterial, reconhecido por meio do “registro”, instrumento este, utilizado no país pelas políticas de preservação do patrimônio cultural à preservação de bens imateriais, tais como, as formas de expressão, celebrações e os modos de criar, fazer e viver, conforme artigo constitucional de 1988 e lei municipal que regulamenta a política municipal. Exatamente por ser importante referência cultural dos diamantinenses, é que esta celebração foi tornada patrimônio imaterial do município.
 A exposição é uma ação do Plano de Salvaguarda do bem, realizada pelo terceiro ano consecutivo, que objetiva divulgar e oportunizar a celebração. Apresenta peças e indumentárias de festas passadas e elementos que simbolizam pentecostes. Houve distribuição do tradicional bolo de arroz, que também e patrimônio imaterial municipal.
A abertura contou com a presença de diversas autoridades, ex-festeiros, músicos e comunidade em geral. O Prefeito de Diamantina, Juscelino Brasiliano Roque e a Secretária de Cultura, Turismo e Patrimônio, Márcia Betânia de Oliveira Horta, entregaram aos maestros de Bandas locais, Conservatório, grupos de serestas e corais a grade de partitura da Folia do Divino.  A montagem da grade de partitura da Folia do Divino foi uma diretriz do Plano de Salvaguarda proposta para o ano de 2019, com o objetivo de garantir a identidade e memória da melodia. 
O Império do Divino Espirito Santo acontecerá dia 09 de junho, domingo, as 10:00h saindo da Igreja do Amparo.

Você é nosso convidado para visitar a exposição temporária do Divino Espírito Santo, a partir de 21 de maio até dia 6 de junho, de 10h as 17h., de terça a sábado e aos domingos de 9:00 as 13:00.
Participe!!!!

Márcia Dayrell França Botelho
Historiadora

Fotos: ZELEO